Sunday, January 29, 2017

A cleptocracia entre a espada e a parede

Nos EUA existem efetivamente dois partidos; no Brasil apenas um. Nessa recente eleição o partido da cleptocracia americana ganhou 97% do voto e o Partido Libertário 3%. A diferença é que toda lei que a cleptocracia quer aprovar e preservar oferece violência a cidadão e estrangeiro. O partido libertário procura revogar essas leis e manter apenas as leis que defendem os direitos da pessoa humana contra a fraude e a agressão.  Mas esse partido da não-agressão é minoritário. A maioria quer coação agressiva e ganhou o que quis. 




Não é de surpreender que pulula descontentamento numa aglomeração de coletivistas saqueadores. O fato salta aos olhos tanto nos EUA--onde os 97% são divididos, como se por Muro de Berlim entre comunistas democratas e nacionalsocialistas cristãos--como no Brasil, onde as mesmas hostes contrárias dividem 100% do voto. 

Lá os salteadores se aglomeram em seis (06) partidos. Cinco dos seis partidos da agressão querem proibir plantas, proibir aborto e mandar a puliça bater nos jovens e morenos. Todos os seis partidos saqueadores defendem confiscar lar e conta bancária de cidadão inocente, e mandar homens armados cobrar o IR que Karl Marx projetou na Alemanha em 1848. Quase o mesmo ocorre no Brasil, só que no caso são 32 partidos salteadores e saqueadores e nenhum partido libertário. (Os libertários querem acabar com o voto coacto e a propaganda eleitoral subsidiada com dinheiro de imposto).

Um dentre essa turba dos 97% pegou cargos na eleição, e levanta-se uma enorme grita (sem panelaços)... Por que? Por que o partido que ganhou quer legalizar a energia elétrica. Essa é a única diferença. 

Por serem desonestos, os seis partidos salteadores prometem e fingem. Numa facção, juram que irão tirar as armas de fogo das mãos dos cidadãos (mas não dos meganhas fiscais).  Para tanto teriam que revogar a Segunda Emenda da Constituição americana. (Veja os 5 passos).  A outra facção finge que pretende voltar aos abortos ilícitos que matam uma mulher a cada 9 minutos nas repúblicas bananeiras. Mas para tanto teriam que revogar a 14ª Emenda pelos mesmos 5 passos já referidos acima. Puro blefe oferecer o impossível. Isso é engodo pra pegar voto de analfabetos, mas está escrito em propostas e plataformas de partidos com bem mais de 26 mil palavras cada.

Como na Alemanha em 1933, apenas duas questões foram importantes: 

  1. O partido fascista que ganhou odeia o liberalismo mas quer legalizar a produção doméstica de energia, inclusive carvão--e parar com a sangria de depender das importações de petróleo do estrangeiro. 
  2. Esse partido contratado pelos eleitores cristãos quer guerra santa sem luvas contras os jihadistas saracenos de Maomé (semitas); isso e deportar os estrangeiros.


Em 1933 também grassava a crise econômica, sobretudo na Alemanha onde: 

  1. O partido nacionalsocialista que ganhou odiava o liberalismo; quis legalizar o rearmamento nacional e dar calote na sangria das reparações pelos danos causados na Primeira Grande Guerra; isso e produzir carvão.
  2. Esse partido contratado pelos eleitores cristãos queria guerra santa sem trégua contras os judeus das bolsas de valores (semitas); isso e deportar os estrangeiros. 

Isso foi vitória? Aumentou a liberdade? Sanou a crise provocada pelo governo Bush? Não. É espada ou paredão, das duas, uma. 

Com o tempo, o crescente Partido Libertário irá substituir os místicos, coletivistas raciais e fanáticos socialistas. Eu vou morrer de rir.  

No comments:

Post a Comment