Thursday, April 27, 2017

Imigrante? Pode matar.

Foi essa conclusão do Supremo americano nos casos dos policiais que matam pra depois prender e interrogar. 


fé cega, pega, pega!


Basta examinar os nomes das vítimas para constatar que a justiça é cega, mas guiada por um cão policial--sobretudo no que se trata de estrangeiros. A cidade de Houston publica até gráficos com estatísticas da carnificina. Aliás, se faltar vítima, esses policiais matam a si mesmos. Nesses casos os colegas fazem de tudo para ocultar a identidade do autor + vítima. 

Nos anos 70 isso tudo era jornal velho. Uma banda de Austin, capital do Texas, os Uranium Savages, lançou em 1979 uma música arremedando a antiga cantiga "On the Bayou". No caso, policiais de Houston algemaram e amarraram um rapaz latino, José Campos Torres, antes de atirá-lo num riacho do mangue onde morreu afogado: 
Well hello, we'd like to know who you are-oh
We've got clues by the shoes you are Chicano
Get outta that car, it ain't far to el arroyo
With a badge and a gun, gonna have big fun, on the bayou
Well goodbye Joe, you gotta go for a swim-o (Geronimoooooooo...)
It'll be rough with the cuffs, me oh my-oh
We'll stand around, watch you drown, then be gone-oh
With a badge and a gun, gonna have a lotta fun, on the bayou.

É claro que deu-e um jeito de proibir a rádiodifusão dessa música. Os DJs da região a tocavam dia e noite. 

No notíciário de Brownsville de hoje, os senadores estaduais do Texas estão empurrando uma lei para prender tantos oficiais quanto derem guarida a um estrangeiro indocumentado. 



É assim que o governo federal compra os votos para que os estados obedeçam. A alternativa seria largar da teta. Foi esse tipo de exportação de legislação escusa que espraiou a crise dos confiscos de 2007 do governo Bush para o resto do mundo. 

Atualização: O NY Times relata como--pela escolha de juris nazifascistas--levraram a cara de policiais que assassinaram um mendigo desarmado como se fosse nos degraus da Candelária!

Gostou? Veja também www.libertariantranslator.com

Saturday, April 22, 2017

Repúblicas Democráticas Socialistas Altruístas e Coletivistas

É impressionante como persiste essa idéia de que o altruísmo coercitivo seria boa coisa "para a coletividade"



https://charges.uol.com.br/2017/04/22/tobby-entrevista-kim-jong-um/

E até hoje são poucos os que reconhecem a falsidade da premissa. 

Wednesday, April 19, 2017

Onda de Deportações, 1923

O Exterminador, junho de 1923, página 3 do jornal

A primeira Grande Guerra não inspirou amores pelos estrangeiros, sobretudo na depressão que acompanhou a cobrança da Lei Seca federal nos EUA. E hoje a situação se repete. Após o colapso financeiro provocado pelos confiscos proibicionistas do governo Bush em 2007 os americanos procuram culpar tudo menos os confiscos que espantaram investidores, provocando a fuga do dinheiro das bolsas e casas de corretagem. 

Para disfarçar essas ligações econômicas a Google é pressionada no sentido de omitir links nos registros dos jornais. Esta charge, por exêmplo, não há como lincar diretamente. Mas na página anterior aparece um artigo sobre os estados Americanos que revogaram, como Nova York, as suas leis proibicionistas estaduais, tornando-se santuários dos direitos individuais.  O estrago econômico provocado pela lei seca já se fazia sentir, como ocorreu em 2007.



No relatório estadual dos confiscos proibicionistas o total de 2007 na Califórnia foi de $35 milhões. Desse total, 79% foram confiscados sem recurso e absorvidos pelas burocracias. Para cada um desses dólares confiscados sem acusação ou ação penal, outros dez fugiram dos bancos, das bolsas e das bolsas de valores. 

Da comarca de San Bernardino, entre Los Angeles e Las Vegas, foram confiscados 10% desse valor total. É claro que para os burocratas favorecidos pelos assaltos, o colapso financeiro que ocorreu foi pura coincidência. Nunca eles admitiriam a hipótese de a sua ganância parasitária ter algo a ver com a recessão que abalou os EUA antes de se alastrar pelo mundo afora. 

O fenômeno é o inverso do que ocorre quando a honestidade dos governos permite o investimento. As pessoas aplicam o seu dinheiro nos bancos e nas bolsas, e a expansão do crédito permite a expansão do Produto Interno Bruto que representa a riqueza gerada pelo capital nas mãos dos verdadeiros donos daquele dinheiro. Nada disso é novidade. Aliás, foi Adam Smith que em 1775 revelou que


Estas mãos improdutivas, para cuja manutenção caberia apenas uma fração do excedente da receita do povo, chegam a consumir tamanha parcela dos ganhos totais que obrigam muitos a recorrer às suas poupanças, subtraindo do capital destinado à manutenção da mão-de-obra produtiva tamanho valor que toda a frugalidade e boas práticas das pessoas não bastam para compensar o desperdício e a degradação da produção que resulta deste saque violento e forçado.

A mão invisível que provocou a miséria econômica nos EUA em 1921, 1929-33, 1987, 2000 e 2007-2011 não foi dos imigrantes. Foi a mão dos funcionários escolhidos pelos partidos políticos que formulam as leis--leis que permitem ao governo assumir o papel de assaltante. São leis que só podem ser revogadas se os eleitores votarem pelo partido libertário. 


Essa interpretação dos fatos econômicos é produto do tradutoramericano.com

Saturday, April 15, 2017

O afundamento do I'm Alone


Capítulo 45
O afundamento da I'm Alone
            O interceptor Walcott da guarda costeira americana perseguia uma escuna de dois mastros e bandeira canadense – a I'm Alone – no golfo do México a mais de uma hora de cruzeiro de Louisiana.  O comandante, John Randall, condecorado com a Croix de Guerre françesa por uma escaramuça com um submarino alemão, não ia prestar contas à guarda costeira americana em alto mar.  Dando reforço ao Walcott veio o Dexter, que – em 22 de março – atacou e afundou a embarcação, matando um tripulante francês no centro do Golfo do México após uma perseguição de 24 horas.  O Canadá, embora aderente a um tratado de bebida com os EUA, não via com bons olhos o bombardeio de embarcações de bandeira britânica, sobretudo no alto mar.   Jamais a guarda costeira se atrevera a por a pique um navio estrangeiro – e de bandeira dos aliados comandada por herói de guerra, era impensável.  O primeiro-ministro canadense, William Mackenzie King, fora abordado acerca de negociações do tratado de contrabando no começo de janeiro, mas King, ansioso sobre a possível tendência das tarifas sob o novo governo Hoover, decidiu guardar na manga eventuais negociações como moeda de troca para influenciar nas sobretaxas americanas.[1] 
            Três dias após o afundamento, a dona-de-casa Lilian De King, de Aurora, Illinois, foi morta a tiros por um xerife proibicionista enquanto tentava chamar o seu advogado pelo telefone.  Um informante fora pago $5 para acusar o sr. De King de tê-lo vendido meio-litro de bebida por $2 fazia nove dias.  Ultrajado, o filho de 12 anos do casal baleou o invasor na perna, mas serenos pastores batistas e metodistas pronunciaram a matança da mãe do menino um ato justificado de execução da lei.  A Associação Contra a Emenda da Proibição (AAPA) publicou em 1º de março Escândalos da Execução da Lei Seca – aumentando o senso de ultrage – e a revista Time publicou o texto da Lei Jones na edição de 25 de março.[2] 
            Longe dos jornais, o caso da Illinois Alcohol continuava tomando vulto com mais 15 intimações despachadas em 23 de março e 10 adicionais no dia 25, elevando o total a 76 desde 20 de março.  Também em 25 de março 31 réus – incluindo pessoas jurídicas – compareceram ao tribunal para se declararem não culpados de incorrerem na lei seca de Volstead.  O julgamento teve início em Buffalo, Nova York, para todos os réus exceto os oito cujas denúncias foram julgadas improcedentes.  Foram liberadas as holdings Salnod e Midwest, os Lasdons, Saks, Briem, Lewis e Uldren, mas os outros 29 – incluindo Edward J. Du Pont e o cervejeiro Fred Koch – enfrentariam um júri de seus pares num tribunal federal.  Os jornais chegaram a mencionar o julgamento de 21 de março em Detroit dos inspetores da alfândega que controlavam o comércio de bebidas nas cidades à jusante.  Saltava aos olhos que o crime organizado vinha sendo dominado pelos próprios agentes que os proibicionistas escolheram para cobrar as leis – leis que organizaram o crime.[3] 
            Numa palestra sobre o crime para o Clube Americano em Paris, o ex-comissário Enright, da polícia de Nova York, chamou atenção a novos aspectos do caso do finado chefão de quadrilha Arnold Rothstein.  O assassinato de Thomas Walsh havia renovado o interese no caso, acirrado pela sina de Jack Waller, assistente do chefão, que saltou à sua morte de um vapor da linha Clyde perto da Flórida – supostamente fugindo de assassinos alugados.[4]  Enright alegou que a investigação da morte fora mal-administrada, e que o teor dos papéis do Rothstein foi omitido, sugerindo que uma diligência verdadeira teria “abalado os alicerces societais e políticos – enfim, todos, da cidade de Nova York.”[5]  Isso remetia muito às “provas chocantes, envolvendo figuras públicas importantes na politicagem de Nova York que o promotor federal John M. Blake prometeu mas não entregou em janeiro de 1929.  Parecia até que haveria elementos de verdade nos boatos de corrupção entre a cúpula da autoridade – a despeito da firme censura de menção do caso da Illinois Alcohol na mídia. 
            Naquele dia, o Presidente Hoover teve outra reunião com o comissário James Doran e seu suplente Levi G. Nutt – com certeza para falar da repressão aos entorpecentes.[6]  Os juros dos corretores imediatamente pularam dos 9% de 22 de março – quando pipocaram as notícias – para 14% na segunda e 20% a.a. dia 24 de março.[7]  Hoover e Nutt bem sabiam que o Artigo 27 da Convenção internacional de 1925 exigia do Comitê Central do Ópio “certificar-se de que as estimativas, estatísticas, informações e explicações por ela recebidas... não sejam divulgadas de forma a facilitar as operações de especuladores...”  Mas com os empréstimos dos corretores a juros inauditos, o presidente decerto teria questionado a possibilidade de alguém ter vazado informações sobre o chocante volume de drogas nos relatórios das fontes da Liga das Nações.  Em cima disso havia a situação da Union Bank and Trust Company da Philadelphia, em que o grande júri denunciava oficiais do banco por faturar em cima da capitalização dos destiladores e chefões de quadrilhas![8]  Mas para o cidadão comum que folheava seu jornal matutino, a maior notícia parecia ser o bicho de sete cabeças que faziam do Al Capone.  


Traduzido de "Prohibition and The Crash" de J Henry Phillips, tradutoramericano.com.br


[1]  (Time Capsule 4/1/29  68-69) (NYT 1/7/29  28) (Spinelli 1989  128-129)
[2]  (CT 10/27/29  3-2) (Time Capsule 4/8/29  69; 3/25/29  68)
[3]  (Docket 11070  4-5) (NYT 3/22/29  11:1; 3/22/29  5)
[4]  (Sullivan Feb.1931  174)
[5]  (NYT 3/22/29  11:1)
[6]  (Hoover 1930 1976  642)
[7]  (WSJ 5/18/29  7)
[8]  (NYT 3/24/29  27)