Sunday, October 1, 2017

Avaliadores amigos da onça

Ajuda mais... 


quem não atrapalha. 

No cotidiano o cliente mostra o que está em pauta, pede orçamento, aprova proposta e sinal e o tradutor faz, entrega e as partes acertam o saldo. Mas com a importação de médicos formados pela ditadura cubana–-onde mesmo antes de 1959 já havia 3 vezes o número normal de médicos–-acelerou-se a evasão de brasileiros formados em medicina. Para exercer a profissão na América do Norte, suas ementas e documentos devem ser traduzidos e avaliados. O perigo é que algumas dessas agências avaliadoras de credenciais são gatekeepers (cuja função é excluir concorrentes estrangeiros) ou monopolistas (que fazem in-house as traduções por um adicional barato, mas bloqueiam ou atrapalham as traduções dos autônomos mediante mecanismos coercitivos).
Alguns sinais de perigo já alertam o tradutor experiente:
1. A escola deve nos mandar sua matéria curricular diretamente, “para preparativos”.
2. Oferecemos vantagens às entidades que recomendam exclusivamente a nós.
3. As traduções têm que ser “word-for-word” ou literais. 
A primeira às vezes resulta em a agência preparar um PDF criptografado (que não permite OCR) com identificadores no pé de cada página. Assim fica difícil converter em texto eletrônico e usar ferramentas CAT. A segunda (2) já acena com o perigo de eles fecharem a concorrência por implicância com bobagens insignificantes. Já vi uma reclamar de um carimbo evidentemente idêntico em cada folha mas faltando algum detalhe em umas ou outras (tipo metade do CEP) pela posição do contato ou falta de tinta no carimbo. O monopolista vê toda concorrência como usurpação. A terceira (3) é  especificação que o mercado identifica como defeito. A literalidade é característica de “tradução” sobremaneira malfeita–-de palavras em vez de conceitos e expressões–-por principiante sem noção. Essa especificação eu interpreto como um aviso em vermelho com imagem de caveira.
Na minha lista negra aparecem NCESS e U of Maryland ou UMD (que especificam tradução literal) e FCCPT (que atrapalham os fisioterapeutas). Quem usar desses serviços irá lidar com algum concorrente; comigo não. O estado de New Mexico insiste em tradutor local, e só serve carimbo de tabelionato daquele estado. Pode uma coisa dessas?
Como se proteger? Leia as instruções e especificações desses serviços (plural) de avaliação antes de escolher. Caso contrário, há risco de mandar traduzir (e pagar) duas vezes o mesmo documento. Pergunte ao tradutor se esse garante que o documento será aceito. Money-back guarantee é muito comum nos EUA. Afinal, se a tradução é rejeitada o tradutor deve consertar a situação, devolver o dinheiro, corrigir e re-enviar ou trabalhar com outro tradutor que possua as credenciais necessárias para conseguir sua aceitação pelo órgão relevante. Procure outras pessoas que passaram por situação semelhante para ver se oferecem indicações.
Para economizar dinheiro não ofereça traduzir o documento. A tradução para nós é fácil, mas específica. Já, se vc produzir ou contratar perito em conversão de PDF para fazer uma versão que inclui todas as informações do original, formatadas tal e qual em formato de processador de textos tipo Open Office, isso facilita a vida do tradutor e pode resultar em desconto.  Se enviar imagens, não mande fotos tiradas com celular. Essas confundem os softwares de conversão quanto ao tamanho da folha. Uma imagem digital de 300 a 600 pontos por polegada, ou DPI, converte com muito menos trabalho. 
Gostou da dica? Lembre-se de nós quando precisar de traduções certified ou juramentadas

No comments:

Post a Comment