Friday, December 15, 2017

Impunidade assassina nos EUA

Em Arizona um bedelho espiou pela janela de um motel um cidadão mostrando uma espingardinha de ar comprimido para a amiga. O democrata bedelho logo acionou os meganhas do Sharia Weapons And Tactics, uma espécie de BOPE do nazifascismo popular. SWAT é a versão americana dos Esquadrões da Morte

O resultado foi isso aqui: 


O meganha foi julgado por homicídio mas o juiz não permitiu que júri visse o estojo protetor da espingarda do assassino. Lá estava escrito: 


"Você está f*dido!" 

Justamente a atitude que os partidos republicano e democrata querem para a cobrança de leis suntuárias, do proibicionismo e repressão generalizada. 

O autor deste crime em tela foi assim inocentado

Num país livre que não invadia nem bombardeava o outro lado do planeta, existia a noção de direito objetivo. A lei, segundo essa teoria, existe para proteger o cidadão contra a coação--seja por agentes do Estado Político ou por criminosos mais ordinários. 

Hoje a lei existe para engordar o tipo de parasita armado que aparece no vídeo. Os sindicatos dessa hoste violenta nenhum juiz ousa resistir. Daí a ocultação de fatos inconvenientes para assegurar a impunidade dos assassinos. 

É o tipo de coisa que resulta da utilização dos impostos para comprar propaganda política para partidos saqueadores entrincheirados--invenção do Richard Nixon. Essa lei que o congresso e Nixon inventaram foi aprovada dentro de 24 horas da formação do partido Libertário em 1971. Desde então ela toma dinheiro do povo para pagar a mídia para ignorar o partido libertário.

Só que mesmo assim a contagem dos votos libertários aumentou em 328%. Nessa última eleição os libertários ganharam número de votos igual ao total dos eleitores do estado da Virgínia.  A única coisa que se compara com esse fenômeno é o aumento dos votos nulos e em branco onde os juízes da cleptocracia conseguem barrar completamente a formação do Partido Libertário. 

Accesse este blog pelo link amigra.us, seu tradutoramericano.com amigo na migra.

No comments:

Post a Comment