Sunday, April 1, 2018

Atirando no ônibus, 1930



Adaptado do Capítulo 99 de Proibicionismo e o Crash, por J Henry Phillips, referente a Janeiro de 1930. 


-->
A Du Pont começou a produzir rayon em 1921, ganhando retorno de 32% no investimento durante quatro anos corridos.  Agora entraram seis novos concorrentes nesse mercado da “seda de arte”, elevando o número de produtores para 20 (com 31 fábricas).  A concorrência adicional, para não falar nas guerrilhas entre o Ku Klux Klã e os “sindicalistas sulistas comunas” e o gargalo no fornecimento do álcool industrial necessário para a fabricação, trouxe problemas para todo o setor têxtil.  A empresa Rayon Silk de Chester, na Pensilvânia, fora indiciada em 1926, 1927 e 1929.  Um caminhão da Primo Silk Co. foi autuado transportando cerveja numa blitz policial.  Não obstante, as fibras descontínuas de rayon eram um importante insumo na fabricação de pano de algodão, e várias algodoeiras possuíam fábricas próprias de rayon, cuja produção elas mesmas consumiam.[i] 

Mudanças recentes nos regulamentos do Departamento do Tesouro restringiam todo acesso ao álcool industrial.  Em 1929 várias empresas já não conseguiam comprar álcool desnaturado sem antes provar que o produto lhes seria indispensável.  A situação piorou bastante quando muitas renovações de licenças foram cassadas em inícios de 1930.  Mesmo com a permissão, as empresas eram sujeitas a controles imprevisíveis.  A Gerber, por exemplo, conseguiu uma licença para 1930, mas os agentes da repressão ameaçaram confiscar sua água de cheiro lilás na eventualidade de vendas a uma empresa mercantil interditada.[ii]

Havia seríssimos problemas sindicalistasO Departamento do Trabalho interditou uma greve em Elizabethton, Tennessee, e um chefe de polícia foi baleado numa contenda com grevistas em Gastonia na Carolina do Norte. Desesseis sindicalistas foram julgados pelo homicídio em Charlotte, mas anularam o julgamento por causa do enlouquecimento de um jurado.  Integrantes do Ku Klux Klã logo começaram a raptar e chibatar os sindicalistas, e um dos seus franco-atiradores, disparando nos veículos levando passageiros aos comícios, matou uma jovem.  Em 1º de outubro o presidente em exercício das fábricas de rayon da americanos Bemberg and Glanzstoff aparentemente se suicidou.  Três grevistas foram mortos e outros 20 feridos por policiais em Marion, Carolina do Norte, enquanto turbas invadiam as sedes dos sindicatos em Gastonia, Bessemer City e Charlotte, chibatando os ativistas. [iii] 

Esses fatos impressionaram os europeus, que investiram o capital para a maioria das fábricas de rayon na região Sul.  Pelos padrões americanos, a região era pobre, mas os salários ali eram comparáveis aos praticados na Europa.  Aliás, confrontos trabalhistas pipocavam na Inglaterra e alhures, e a concorrência em todo o setor têxtil andava acirrada e impiedosa.  Mesmo durante a prosperidade do Coolidge os tempos eram difíceis. Mas agora, pioradas pela guerra suntuária, a queda dos lucros significava arrocho salarial ou mesmo a bancarrota.[iv] 

As agências da Rutherford County Bank and Trust em Spindale e Union Mills na Carolina do Norte permaneceram fechadas em 4 de fevereiro, e corridas bancárias fecharam as agências da Farmer's Bank and Trust company em Forest City e Caroleen.  Ma mesma hora em Murfreesboro, Tennessee, a planta da Frank Silk Mills – com $250.000 em dêbentures em circulação – foi misteriosamente abandonada; seus diretores simplesmente desapareceram.  Metade do capital da empresa estava nas mãos da Caldwell and Company, uma casa de corretagem bancária, que adquirira a empresa como a Woolen Mills Company de Murfreesboro.  A Caldwell and Company tinha laços com a Central Bank and Trust Company de Asheville, a menos de 65 km da região acometida.[v] 

O Comissário da Proibição Doran em 6 de fevereiro de 1930 submeteu um relatório no congresso explicando que das 9000 amostras de bebida ilícita testadas, meros 1% originaram do álcool industrial, e que esse problema de desvio fora resolvido fechando sete plantas de álcool, seis armazéns alfandegados e sete plantas de desnaturação no distrito burocrático de Chicago nos últimos dois anos.  Doran citou duas empresas, a Chicago Grain Products e Craigin Products, como culpadas pelos desvios.  Nesse meio-tempo, segundo Doran, 81% de todo o uísque vendido fora destilado ilegalmente do açúcar de milho.[vi] 
o capital foge dos confiscos proibicionistas--e do IR do manifesto comunista
Como hoje, a proibição organizava o "crime" sendo os mandantes os políticos, juízes e policiais

Foi esse o panorama nos EUA na ditadura da lei seca dos evangélicos proibicionistas. Bush Filho deu trela a essa mesma corrente em 2004, e até 2007 seus confiscos fanáticos novamente destruíram a economia daquele país--antes de serem exportados para os demais países para que os sandinistas empreendedores terroristas não consigam financiamento. Hoje temos o partido Libertário cuja fatia da votação está crescendo. Doar uns trocados à abolição de leis nocivas é a melhor maneira de despoluir o mundo.  

Necessitando de traduções jurídicas ou financeiras, mesmo de cunho orwelliano, entre em contato no Speakwrite ou Tradutoramericano.com.
Não perca o Libertariantranslator.com



[i]  (United States v. E.I. Du Pont de Nemours & Co. 6/11/1956) (Mabee v. United States 07/08/32) (Avram 1929  58)
[ii]  (Selkow v. Campbell 12/15/30) (01/13/31 Quitt v. Stone 01/13/31) (Goldman v. Campbell 12/15/30) (National Grain Yeast Corp. v. Mitchell 07/07/1931) (Joy Chemical Co. v. Moss 01/05/1931)
[iii]  (NY World Almanac 1930  112, 121-3; 1929  100, 103) (McCormick & Co. v. Brown, 52 F.2d 934 4th Cir. 10/12/1931)  (CT 9/11/29  1; 9/19/29  1)
[iv]  (Avram 1929  134)
[v]  (CT 2/5/30  10; 2/12/30  1) (McFerrin 1939  41, 77-78)
[vi]  (Hoffman 1993,  141-142) (CT 2/7/30  4; 2/8/30  4)

No comments:

Post a Comment